Estudos apontam que aparelhos auditivos podem evitar doenças e aumentar a expectativa de vida de idosos

Quem acompanha o blog da Sonivoxx sabe já, há bastante tempo, que os aparelhos auditivos são cruciais para a melhora da qualidade de vida de idosos que passaram a sofrer com a perda da audição em seus mais variados graus.

Isso acontece pelo fato desses equipamentos permitirem aos indivíduos manterem a totalidade de suas comunicações com os entes queridos – bem como realizarem atividades comuns aos seus cotidianos durante toda a trajetória de vida, tal como assistir televisão e escutar música.

Para além da ‘qualidade de vida’ no sentido ‘prazeroso’ do termo, no entanto, os aparelhos auditivos têm influência direta na saúde e na longevidade da vida do idoso.

De acordo com a Faculdade de Medicina Johns Hopkins, dos Estados Unidos, pessoas idosas com problemas de surdez possuem mais chances de desenvolverem demência – categoria em que se enquadra, por exemplo, o Alzheimer.

O estudo aponta que a cada 10 decibéis perdidos de audição, o fator de risco de desenvolvimento de demência cresce em torno de 10%.

Consequência tão grave quanto ao desenvolvimento de doenças mentais, idosos que sofrem com perda de audição e não recorrem a tratamentos e uso de aparelhos têm sua expectativa de vida diminuída – segundo estudo realizado por pesquisadores islandeses e publicado pelo jornal da Universidade de Oxford.

Segundo a publicação, que se centrou na relação de perda auditiva e visual com as variações nas taxas de mortalidade, idosos que sofrem com problemas em um (ou ambos) os sentidos estão mais propensos a morrer dentro de um período de cinco anos, do que pessoas saudáveis e/ou que utilizam auxílio tecnológico para corrigir o problema.