Por muitos anos pessoas que sofriam com deficiências auditivas tiveram de conviver com limitações e incômodos ao recorrerem aos aparelhos auditivos.

Isso porque esses aparatos, embora já de grande auxílio, não contavam com tecnologia avançada o suficiente para isolar ruídos, evitar ‘apitos’, permitir que o usuário tomasse chuva, banho e até nadasse utilizando o equipamento.

Além disso, outro ponto de incômodo por parte dos usuários era a questão estética. Isso porque, em uma sociedade que de forma inexplicável ainda guarda certo preconceito com deficientes auditivos, o tamanho aparente dos aparelhos era motivo de constrangimento e encabulamento dessas pessoas.

Graças ao avanço tecnológico, esse cenário no qual a utilização de aparelhos auditivos vinha acompanhada de ‘fardos’ chegou ao fim.

Os aparelhos mais modernos oferecem:

– funções que filtram os ruídos, permitindo ao indivíduo focar em ouvir o que realmente importa;

– construção à prova d’água que resiste a mergulhos de até 1 metro de profundidade por cerca de 30 minutos;

– design discreto e quase imperceptível;

– além de outras funcionalidades como tecnologia Bluetooth, na qual o usuário pode conectar seu aparelho diretamente com a televisão ou o celular;

– e aplicativos em smartphones que possibilitam o controle de volume na ponta dos dedos.

É a tecnologia a serviço da qualidade de vida – cada vez mais impulsionando os deficientes auditivos para uma vida tão prazerosa, independente e ilimitada.